2014-01-20

MAJESTOSO PALÁCO


 
Em tempos um belo e majestoso palácio

palácio de injustiça, agora

selvática vegetação o envolve

por entre as ruínas, ossadas descarnadas

no quase telhado, bandeiras esfarrapadas.


Suaves brisas resvalam

ao longo dos pálidos muros

cintilando, cintilando sem cessar.

 
Ali estava ele, monarca do pensamento

com vozes de insuperável beleza

coisas malvadas, em vestes de luto

afluem as argúcias e sabedorias do rei

do antigo tempo sepultura.


Os viajantes deste vale

num desordenado cogitar

ao som de vozes discordantes

as ideias assumem carácter ousado

riem, já sem sorrir.


O rei está nu.

Sem comentários: