2010-11-06

DEMAGOGO DE BOBO


Agora a sério, mesmo, meu kamba sem palavrosos conversés, demagago, perdoa, deveria dizer demagogo… de bobo…

-Acreditas na igualdade e instrução para todos?

Kibenjula, 7 cubatas um tanque de água, vinte litros de água infectada do rio Kubal custa sessenta kwanzas, em contraste com os possantes 450 cavalos a cavalgar o asfalto , entre imbondeiros, miúda de dezasseis anos ao teu lado, para lhe foder ou ensinar a vida no caminho para o Lobito?

Colono disfarçado… pintado de cor negra? Afinal as posições são idênticas é uma questão de pinturas… de cores mas sem arco íris, daltonismos étnicos, ou cego, cego mesmo de não querer ver?

Vou te bater nessa cabeça até te recordares do teu verdadeiro e primitivo passado, até babares toda essa ignorância intencional.

É-se filho de quê? Dos enfeites obsessivamente elaborados na árvore genealógica aumentada em lupa estúpida, escaravelho roendo as franjas tenras das minhas entregas, depositando confianças na árvore que sustenta o meu repúdio do teu falso punhal ?

Trabalhar para as crianças que serão o futuro formatado… então o quê… fazer o quê?

2010-11-01

Kitari


…ás vezes penso na morte,

com esta vida,

quem me dera ouvir

uma voz humana confessar

as angústias orgânicas,

vá sê sincero

meu filho da puta

estamos fartos de semideuses…

Oxigénio e água potável

cristalina

será o meu futuro negócio.

Deve ser excitante

contar os dinheiros

por cima das mortes

soterradas de brutalidade

no outro lado

kotidiano

a chutar me na veia

razões e desculpas.

Sinto o cansaço,

num arrepio de súbito

é tarde

aquilo que os olhos não vêem

criação do enredo estático

liberto da tirania do relógio

desconfio da amabilidade da noite…

audácia do vazio…

esburacando

emoções.