2008-01-17

INFUNDE ME

in Rara Avis

Não há gelo que possa
esfriar,
o amor.
Cura me com um beijo.
Desperta me o sonolento inverno,
infunde me.

O êxtase.

Abre me o palácio de Vênus,
suave sonho és,
desejada e inatingível.
Ofereço me a ti,

em branco lírio.

5 comentários:

i just can´t get enough disse...

Solta-se uma vida, solta-se um beijo, solta-se um desejo de ter sitio onde não oiço nem vejo...
Gostei do teu poema...
Abraço

antonio disse...

Os invernos podem não ser o ocaso da vida, apenas uma manhã fria à espera de um beijo. Bem pensado.

Obrigado pela visita e pelo comentário.

Kafé Roceiro disse...

Meu amigo Kim não só está inspirado como também apaixonado pelo jeito. Poema lindão!

SAMANTHA ABREU disse...

tenho duvidado dessa quentura do amor, sabe...
tenho acreditado mais no ardor da paixão... a na dor da dor.
E o texto é belíssimO!

:D!
Um beijo, baby!

ps: Amanhã tem Falópio, apareça!

FINA FLOR disse...

tens razão, gelo, não, mas indiferença, sim........

obrigada por sua gentil visita!

volte sempre que quiser,

beijos

MM.