2007-12-26

Questão de Liberdade

Não aos constrangimentos, quero ir embora, não porque tu não prestas,
mas sim porque é imperativo para mim.
Teus sonhos, teus desesperos, teus desejos…Amanha te, são teus.
Se tivesse qualquer coisa nossa teria ficado. Querias me comer? Sou teu entretenimento? Faço te rir? Pois.
Problema teu, tou saindo.
Queremos numa eloquência etílica, formar razões, dogmas, cadeados...
Vai ter que te bastar , o eu querer ir , é esse o topo da liberdade.
Sair. Sem porquês. Quero ir.
Se isso te descansa, pois tou bêbado…
irremediavelmente…

2007-12-19

Triplo Latido


Uma escada de caracol conduz me ao terraço,
olho te com todo o meu corpo, vejo te Anfisbena.
Naquele tempo nossos mundos não eram como agora
– incomunicáveis-.

Entrava se e saia se pelos espelhos;
o mais uniforme dos corpos sólidos era nossa morada:
a Esfera.

Ao contrário dos outros fantásticos animais,
vivemos numa ilha indeterminada,
devorámos nossas próprias asas. A rústica barbárie:
fazer.
A ira simbolizada no “ amor global”, castrante descanso civilizante.
Se o Inferno é uma casa, o guarda será um cão de três gargantas,
triplo latido:
Morde , ladra, e mostra os dentes…
Passado , presente , futuro…
Tese , antítese, síntese.

2007-12-15

Atrevida


Fora foda á primeira vista,
op´s ,

perdão,
amor á primeira vista.
Nunca alguém me
apertara o mamilo clitoriano.
Eu própria o desconhecera até aqui…
Disvirgindada que era , um sonho
sabia me colocar no lado reflexo
dos desejos
deles , alguns dias tenho
o/um
asco como boca a saber a todos.

Na imagem da vertigem um discurso Eloquente passa
em mim
a mão
felpuda. Sou atrevida ?
Inebriada!

Sim ,fodida da vida
Seja…

2007-12-10

HIPOCRISIAS

"...Falar de prostituição não é fácil. E não é fácil pelos tabus e..."
Pelo contrário : é fácil falar de prostituição.Toda a gente fala de prostituição, emite ,evoca leis terrenas ou divinas é contra ou a favor grita "morais" e blá , blá , bla´.
E que tal todos nós enveredarmos pela verdadeira liberdade sexual, sim porque tamos falando de fazer sexo, e isso todos gostam e querem fazer.
A puta da "norma" que cristalizou em nós ( homens e mulheres) o sentido de posse sobre o ser amado, como propriedade nossa não divísível pelos outros,talvez a maior culpada.
Claro a solução não está num clic, mas que tal começarmos já hoje, a educarmo nos na perspectiva de proporcionarmos a todos o tão desejado sexo?.Vulgarizado o sexo perderia seu valor comercial. Quer dizer não faria verdadeiramente sentido pagar por algo que estaria disponível por aí.
Por outro lado a prostituição está mais vezes nos olhos de quem a observa do que própriamente nas dos corpos que a praticam .
Verdadeira liberdade sexual precisa-se...

2007-12-06

A Onda-Corpúsculo

Ela tinha o mesmo sujeito e predicados contraditórios: excluía se do todo.
O seu elemento mais poderoso neste espaço tornava se nulo num noutro espaço.
Gerava isto um padrão de interferências, quer dizer , os seus avantajados peitos , chegavam antes dela; entre eletrões e fotões seus brilhos marcavam tesão nas baixas partes não só deles mas também de outras, quase suas iguais.
Aproveitava , então ela os corpúsculos e as ondas, mais por pudor do que por convicção, tivera, uma singeleza de educação dividida por mãe , avó e pai ausente.

Ouvera assim tempo para olhar se, aprendera a prática da parcialidade das aparências , tomara para si o dom de duplas identidades, abrigava se das garras de todos os rastejantes. Mais tarde o problema da sua identidade ou da sua natureza havia de se apresentar.

O objeto dela era mostrar que , de uma certa forma as partículas quânticas possuem uma ambiguidade que se assemelhava a ela própria. Ela emergia quer como ondas, quer como corpúsculos, mas não era nem onda nem corpúsculo.
A sua aparência dependia do contexto da sua observação. A dualidade onda-corpúsculo era uma das caraterísticas mais desconcertante dela.
Era um Universo Kuântico.

2007-12-04

Introdução / Conclusão


Mergulhara morna e húmida, do céu a viagem da contínua noite. Teu corpo, seu sabor e cheiro, inalo te.
Trazes uma blusa de cetim branca. Só os velhos não se rendem ao encanto físico e á tua voz. Eu sei que é um jogo disse sussurrando.
Nosso amor é um traço irregular, numa escuridão que cobre tudo; num repente, uma velha senhora passa inesperadamente sozinha e diz nos que o abandono demora mais tempo a morrer. Os olhos reprovadores , ignoramos , sentenciando o prazer da carne e do sangue
Fazemos ali mesmo.
Mal respiramos , mas estamos acordados envolvidos nos corpos, propusemos nos vender o passado, num leito de loucura, assim foi.
Éramos nossos amantes, abordando o nada construindo fragmentos de memória. O oculto transportando nos ao lugar da nossa espécie.
_ Ser eu própria! Exclamaste, recebendo das minhas mãos as arestas derrubadas, caindo na imensidão das carnes macias, perfuramos os silêncios. Esta noite estás porcelana, tenho medo de caminhar te, tua tremura é um sismo constante.
Não te apresses fa(lo) devagar - segredaste me na pele, que enjoavas na velocidade - como as palavras simples e vagarosas.